Blog

Diferença entre Low Carb e Dieta Cetogênica

Com certeza você já deve ter ouvido bastante sobre essas duas dietas e talvez possa ter ficado um pouco confuso se elas não seriam basicamente a mesma coisa.


A dieta cetogênica é uma dieta low carb mas uma dieta low carb pode ou não ser cetogênica.


Na verdade tanto a Low Carb como a Keto (ou dieta cetogênica) são dietas com limitantes na quantidade de carboidratos. Em uma dieta low carb há diferentes faixas de "adesão" por assim dizer - o consumo diário de carboidratos pode variar de 100g a 20g por dia. O último estágio de uma dieta low carb pode ser considerado a dieta cetogênica, onde se limita ao máximo de 20g de carboidrato por dia.


Mas qual o objetivo dessas estratégias alimentares?


Em primeiro lugar ambas limitam a quantidade de carboidratos na dieta e buscam o uso de gorduras como forma de energia. A dieta cetogênica busca uma redução acentuada na ingesta de carboidratos, com objetivo de alcançar um estado metabólico conhecido como cetose - esse estado é alcançado quando há ausência de glicose sanguínea e o organismo busca utilização da gordura como forma de gerar energia.


Apesar de parecer tudo muito fácil, na prática não é bem assim. Algumas pessoas podem alcançar um estado de cetose com relativa facilidade, sem uma redução tão drástica do consumo de carboidratos, enquanto para outros chegar nesse estado (e permanecer nele) é bem mais sofrido.


A dieta cetogênica pode ajudar em diversas situações clínicas, como obesidade, epilepsia, Alzheimer, Parkinson, diabetes mellitus tipo 2, síndrome de ovários policísticos, alguns tipos de câncer, enxaqueca entre outras condições.  


Mas atenção: uma estratégia low carb pode vir acompanhada de efeitos colaterais e talvez não seja a melhor opção para você.


Na dúvida se a dieta cetogênica ou se a low carb é para você? Procure um médico e avalie os prós e contras de cada abordagem e os possíveis benefícios no seu caso.


Referências:

Paoli A. Ketogenic diet for obesity: friend or foe?. Int J Environ Res Public Health. 2014;11(2):2092-107. Published 2014 Feb 19. doi:10.3390/ijerph110202092